Sobre Comemorar Aniversário Ou Não

4ever3 GREEN BALOON
Desde que me lembro fui uma criança que sempre teve festa de aniversário. Meus pais faziam questão de celebrar as datas especiais. Tive desde os traumáticos palhaços sem graça e horrorosos que me traumatizaram pro resto da vida até a festa no buffet mais caro da cidade aonde foram todas as pessoas que eu não conhecia da mesma cidade.
Assim que me mudei pra São Paulo, 6 anos e meio atrás, continuei com a tradição de dar festas para os amigos ou levar a um restaurante que adore e comer com todos a comida que amo. Me dá muito prazer fazer isto. Até ano passado eu fiz festa. Mas talvez porque esteja construindo novas formas de viver, talvez mais simples, ou melhor, menos complicado e valorizando o simples, resolvi fazer diferente. Este ano não organizei nada. Não fiz alarde nem senti necessidade de comemorar com uma festa. Ao invés disso, resolvi passar com as pessoas mais próximas do meu dia a dia ou que fizeram questão de estar comigo. E isso foi muito especial.
A virada do aniversário eu estava com um grande amigo e fui na Lanchonete da Cidade comer o meu Quintandinha! Tive uma reunião por skype com a Fê e com a Mari, onde recebi cargas em alta voltagem de amor. E almocei no Pret à Manger, nos Jardins, com a Fê. Recebi telefonemas de todos da minha família. Voltei pra casa correndo e me preparei para uma reunião de trabalho muito importante, que foi um grande sucesso. Assim que cheguei em casa o Ju, um outro grande amigo, fez questão de preparar um early dinner (palavra chique para jantar mais cedo rs) e chamou uma outra amiga por quem tenho um grande carinho, a Isa. Saí de lá e fui ao Brasserie dês Arts para um jantar com amigos lindos, Chris, Bia, Cissa, Fabio, Dani… Foi espetacular! Fui dormir extasiado de alegria, por este dia que não tinha planejado nada, encontrar tanta gente do coração e receber tantos votos positivos pela internet e ligações.
Ao invés de gastar o dinheiro da festa, comprei ingressos para a Sala São Paulo no dia seguinte, e fiz questão de ir sozinho. Assisti a duas obras de um dos meus compositores favoritos, o finlandês Jean Sibelius. E estava lá de olhos fechados e percebendo o quão simples e precioso é fazer as pequenas coisas que nos alegram e meu conselho é sempre procurar fazê-las.
As festas são incríveis e vão sempre acontecer. Ainda bem! Mas de vez em quando, o recuo, a calmaria faz muito bem também. Nos dá energia, esperança e nos faz lembrar de quem e do que realmente amamos e nos faz bem.
Experimente. Simplifique. Veja o que acontece!
Gosto deste post? Veja aqui mais deste tema.

2 Comments

  1. Aproveitar cada momento, que todos os dias sejam especiais não só os aniversários, todos os dias tenham festas de emoções e sentimentos e que os presentes venham sinceros por alguma lembrança e não por um data. Viver simples porém com intensidade.

    • Querido! Você tem toda a razão. Esse é o Caminho da Volta que tanto buscamos com nosso site e nos nossos dias. Obrigado por estar junto!!! E esperamos que venha sempre e estaja sem junto. 4everBeijos.

Submit a comment

2 × 2 =