Uma Vida Sem Marcas!!!

Eu já havia ouvida falar na marca. Quando recebi a matéria de uma lista onde tenho meu e-mail cadastrado decidi que deveria dividir aqui sobre este  conceito espetacular do BRANDLESS (‘sem marcas’): tudo por US$. Mas como? Eles acreditam em ser 100% francos com seus consumidores e não usar estratégias de marketing. Na verdade, tiram todos os custos de marketing e deixam apenas o valor que o produto realmente teria! Pronto!  Muito interessante! E eles vendem DE UM TUDO.


Uma vida sem brands ou marcas fez com que tudo custasse TRÊS DÓLARES?!?!?! Vou fazer uma compra agora e mandar pra casa da Fê em NYC!!!!
rsrs

Abaixo coloquei o artigo que recebi! Sei que parece, mas não é merchant… 😉
Espero que curta e experimente. Depois nos conte!

O “Unbranding” em Cuidados de Beleza

Extraído do:
https://www.fcecosmetique.com.br/pt/noticias/tendencias-e-novas-tecnologias/o-unbranding-em-cuidados-de-beleza
Estimamos que as pessoas, em média, paguem pelo menos 40% mais por produtos de qualidade comparável aos nossos. E, por vezes, até 370% mais, para produtos de beleza como dermocosméticos faciais. “Estamos aqui para eliminar o BrandTax de uma vez por todas”, declara o site da Brandless, uma marca altamente estética, apesar de prática, que promove suas certificações orgânicas, sem glúten, veganas, não-GMO e kosher – todas muito econômicas. Todos os produtos, que incluem SKUs de cuidados de beleza, como produtos para os cabelos, sabonetes, higiene feminina, produtos faciais, entre outros, são oferecidos no site por apenas US$ 3.

Como a BeautyPie fez anteriormente, a Brandless procura driblar os modelos tradicionais, cortando o que considera despesas desnecessárias, como o marketing, a distribuição e as cadeias longas de suprimentos. Veja como:

Opções limitadas: tal como acontece com a recente loja de pequenas dimensões da Sephora em Boston, a Brandless orgulha-se de uma seleção limitada de produtos, eleitos por curadoria. A Brandless leva essa premissa ao limite, oferecendo um SKU por categoria. Não há 12 shampoos; há apenas um. O mesmo para loções de limpeza facial e sabonetes corporais.

Preço baixo: a Brandless vende tudo por US$ 3, devido ao seu modelo de fornecimento mais direto: fornecedor > marca > consumidor.

Qualidade e segurança: a Brandless mostra o perfil de segurança de seus produtos na frente da embalagem, usando um motivo de checklist. A empresa afirma que “proibiu” mais de 400 ingredientes de seus produtos, incluindo suspeitos habituais, como parabenos, ftalatos e sulfatos.

Retribuir: a marca reforça sua mensagem positiva ao fazer parcerias com a Feeding América, doando uma refeição toda vez que um cliente realiza uma compra na Brandless.

No final do espectro de preço, a Public Goods (outra empresa que trabalha no mesmo conceito da Brandless, cobrando uma anuidade de seus clientes) afirma ter também simplificado a cadeia de abastecimento tradicional, cortando varejistas e distribuidores, resultando em produtos mais seguros e acessíveis.

“A maioria das marcas passa por quatro fornecedores antes de vender o seu sabonete”, afirma o site da marca. “Isso acrescenta custo a cada etapa. Mas estamos mudando a cadeia de suprimentos: uma taxa fixa de anuidade resulta em mark-up zero”.

Como a Brandless, a Public Goods favorece designs minimalistas de embalagens, que evocam simplicidade sem inconveniências. “Liguem-nos, esnobes, mas não suportamos as embalagens mal projetadas e brilhantes que a maioria das marcas usa”, exclama a Public Goods. “Eles têm essa aparência porque são feitos para se destacarem na farmácia, não para decorar lindamente seu banheiro. Nossa embalagem é clean e simples, projetada para complementar seu espaço, não uma agressão visual.”

A Brandless atua também em outros mercados além de beleza, tais como Food, Household e Health (neste último, são comercializados suplementos, vitaminas e produtos de higiene, como cremes dentais, hastes flexíveis, dentre outros).
Uma recente análise da Mintel* informou que “apenas 10% dos consumidores de cuidados pessoais dos EUA concordam que os produtos de personal care com preços mais altos funcionam melhor do que os mais baratos”. Embora a BeautyPie, a Brandless e a Public Goods ainda estejam em seus estágios iniciais, é claro que elas estão tocando na ansiedade do consumidor e na desconfiança dos comerciantes tradicionais.

Nota de rodapé:
*Jana Vyleta, “O novo varejista on-line vende produtos premium de cuidados pessoais a preço de custo” – Mintel, 11 de outubro de 2017; www.mintel.com.

Fonte: GCI Magazine via Cosmetic Innovation
Tradução: FLD Traduções

Submit a comment

20 + 7 =