Minha percepção no NYFW

Eu e a Flavia tivemos este ano a oportunidade de fazer um trabalho voluntário durante a NYFW. Foi uma coisa pequena, mas muito muito divertida. Acho que todas as oportunidades que temos de conhecer outros mundos acabam sendo válidos para nós sabe? Acho enriquecedor para o ser humano sair da sua zona de conforto e ir desbravar outros mundos. Ter outras experiências, enxergar a vida de outros ângulos.
Foi muito interessante ver a organização de tudo, o stress, a ansiedade estampadas nos olhos de quem estava, talvez, tendo a oportunidade das suas vidas de mostrar o seu trabalho, seja apresentando suas criações, seja desfilando. Até mesmo as pessoas que iam assistir ao desfile. Estava todo mundo muito envolvido emocionalmente com a situação. Eu estava me divertindo, mas não estava emocionalmente envolvida com aquele projeto, o que nos faz ter uma visão muito mais clara e sem o véu das emoções amplificando ou de alguma forma distorcendo a realidade. Muito interessante!
E em algum momento, de tanto observar aquilo, acho que a minha mente saturou e uma percepção muito clara tomou conta de mim. Deixa ver se consigo explicar da melhor forma: Na minha profissão como Empreendedora do Método DeRose, assim como a maioria das profissões, o resultado do nosso trabalho é proporcional à nossa dedicação e ao nosso esforço. Há variáveis? Sempre há! Mas existe um determinado padrão que, se você estuda, vai para as melhores faculdades e tem as melhores oportunidades. Se você é um bom profissional, a probabilidade é que cresça e seja reconhecido dentro da sua área de trabalho.
Volto a dizer, há exceções, mas a regra básica que funciona para 99% das pessoas é assim. Não tem muito segredo.
Na vida das modelos não! Elas por alguma razão, incompreensível na minha mente lógica e matemática, compram o sonho de que ser altas, magras e bonitas, vai fazer o mundo inteiro reconhecê-las e as adorar, e que vai ser assim para sempre. O que eu vi lá foi tão diferente disso! Um monte de meninas com a metade da minha idade e o dobro da minha altura, se sacrificando e passando a sua adolescência em um sonho cruel em que milhares são descartadas para que uma seja reconhecida, rica e badalada, enquanto todas as outras são simplesmente abandonadas, com todos os seus sonhos, juventude e frustração, descartadas e tendo que ir atrás de alguma outra coisa.
Achei uma crueldade tão grande com aquelas meninas, que, com certeza, já passaram por um monte de testes e chegaram até ali.
Para mim esse sofrimento, essa expectativa e essa escolha, muitas vezes injusta, tão não vale a pena. E nem tenho como falar isso para elas. Me pareceu crueldade demais para tão pouca idade sabe?
Sei que a escolha é delas e que todos somos responsáveis pelas nossas, mas será que as pessoas têm consciência do impacto que as escolhas têm nas suas vidas? E será que nós temos?

Amo, também, este texto 😀

Submit a comment

três × 1 =