Penny Dreadful – Dica de Série

 

penny-dreadful-banner-copyNão é novidade para ninguém que é muito fácil para eu me viciar em uma série e finalizá-la em alguns dias. Assim foi com a primeira temporada de Penny Dreadful.
Por conta disso fui pesquisar os termos e eis que achei esta resenha em um site.
http://razaodeaspecto.blogspot.com.br/2015/05/na-telinha-penny-dreadful.html
Na Inglaterra do século XIX, popularizou-se um tipo de publicação de baixo custo, que trazia histórias policiais e sobrenaturais, invariamelmente sangrentas. Essas edições ganharam o apelido pejorativo de “penny dreadful” (algo como “centavo terrível”), por serem vendidas por apenas um penny (a menor moeda então em circulação). De alcunha jocosa, o termo “penny dreadful” passou a caracterizar todo uma variedade de ficção da Inglaterra vitoriana, especialmente popular nas classes trabalhadoras, entre as quais crescia a alfabetização e a capacidade – ainda que limitada – de gastar com entretenimento. Esses centavos terríveis seriam a mãe da pulp fiction americana.

Desse novo veículo de entretenimento, e aproveitando a efervescência do fim do Romantismo, do impacto da Revolução Industrial e dos cenários escuros e embaçados da cidade e do campo ingleses, surgiram histórias que cravariam suas facas nos arquétipos e memórias da literatura. Ali surgiram, por exemplo Sweeney Todd, o barbeiro assassino da Rua Fleet; e o Dracula de Bram Stoker não existiria sem a inspiração de Varney, the Vampire, um dos mais populares penny dreadfuls da época (e das obras de Polidori e Le Fanu, obviamente). Ainda que não tenham sido publicados nesse formato, o “Frankenstein”, de Mary Shelly, o “Médico e o Monstro”, de Robert Louis Stevenson, e “O retrato de Dorian Gray”, de Oscar Wilde, bebem da mesma inspiração vitoriana, em que o indivíduo luta para conseguir respeirar em meio às mudanças tecnológicas e sociais intensas daquele século, quanto contra os próprios demônios internos por elas despertados. Quando Jack, o estripador, sangrou as ruas de Londres em seu penny dreadful real, a mente inglesa já estava preparada para se desesperar e se fascinar em igual medida.
Eva 4ever3

Recomendo inúmeras vezes. A começar pela atuação da espetacular Eva Green. Sozinha já seria um motivo suficiente! Esta semana espero já iniciar a segunda temporada….. e finalizar antes de sexta!

 

Acho que vai gostar desse post aqui também!

Beijos dos Três!

Submit a comment

8 + oito =